No centro da cidade uma praça. Uma praça no centro da cidade.

Realidades incontestes em todas as cidades a partir de sua formação: se não uma praça no centro, infalivelmente uma igreja, ou ainda as duas juntas.

Cornélio Procópio não teve esse conjunto. A praça está no centro e a Igreja um pouco mais acima, mas incontestavelmente eram os dois grandes, e únicos, locais de concentração de massa da cidade.

No logradouro, o infalível ‘footing’ dos finais de semana. Apreciar aquela procissão de gente indo e vindo era minha diversão também. Ali se via de tudo: casais de braço dado, casais em duplas, buscando ou se oferecendo, e outros que ficavam postados fixamente em lugar estratégico com o intuito de ver todo mundo passar. Claro, se havia desfile teria que ter platéia. Assim era o footing na Praça Brasil nos anos 60.

Nesse vai e vem prevaleciam os sinais, facilmente entendidos entre eles. Ao passar, pretendente dele ou dela esboçava um sorriso e lançava uma piscada de olho. Era um flerte, um xaveco, sinal de paquera. Geralmente por iniciativa dele, aceno como esse era uma manifestação de pretenso namoro. Ou pelo menos chegar para “se conhecerem melhor”.

Pelo lado dela havia também um sinal de concordância ou de recusa. Se ao detectar o aceno do pretendente ela igualmente esboçasse um sorriso era sinal de consentimento e bastava colocar o dedo indicador na face do rosto, como quem estaria dizendo “estou livre”. Se não, seriam dois dedos no rosto (indicador e médio) numa demonstração de “sou comprometida”.

Era grande a população de jovens procopenses desta época que freqüentava a paquera da Praça Brasil. O footing se dava exatamente no quarteirão da avenida quinze de novembro, interditado ao trânsito todas as noites de domingo. Mas também se estendia pelos arredores e círculos centrais do largo. Gente fixa, gente em movimento, cada um com seu hobby de comer pipoca, pé de moleque, cocada, algodão doce ou mascar chiclete de bola. E o movimento apertava quando terminava a ’reza’ na igreja matriz ou a sessão de cinema.          

Bem à moda da época, as moças eram comportadas, a partir de seus trajes, como vestido ou saia abaixo do joelho. Quando muito um modelo rodado com bainha de babados abaixo ou com alças acima. Nada de mostrar parte do corpo como sensualidade. Já os rapazes trajavam a moda em voga na época como camisa xadrez e calça larga com barra boca de sino. Os mais recatados ainda exibiam manga comprida e colarinho, abotoados.

Creio que todos nós lembramos de algum logradouro público da nossa cidade natal como espaço que marcou determinado momento de nossas vidas. E são muito boas (e saudáveis) essas lembranças que vêm à tona quando nos permitimos a um devaneio de uma época em que fomos protagonistas.

Hoje a estampa é completamente outra. O footing agora é de carro ou moto pelas ruas da cidade e não há mais paquera. Mas a praça continua lá, intrépida, sem ver os piscares de olhos ou sorrisos sorrateiros de ontem. Quando visitamos essas praças, como não lembrar os versos de Ronnie Von: “a mesma praça, o mesmo banco, as mesmas flores, o mesmo jardim”.

Saudade daqueles tempos que assistiram minha juventude e contribuíram para minha envergadura. Uma noite dessas ainda hei de sentar num daqueles bancos, recatado, só no meu pensamento, para ver passar, em filme, essas emoções de outrora, que nem a velocidade do tempo há de apagar.

Por Athayde Alves 

WhatsApp Image 2019-09-19 at 10.38.06.jpeg

 WhatsApp Image 2019-09-19 at 10.38.34.jpeg

WhatsApp Image 2019-09-19 at 10.40.48.jpeg

dia d - ORIGINAL.png

As festividades tomaram conta da manhã desta terça-feira, 17, onde professores, funcionários e alunos comemoraram com muita festa o aniversário de 15 anos da Escola Municipal Professor Átila Silveira Brasil. A diretora Cilce Moraes Ferracin, destacou o comprometimento de toda equipe em educar e ressaltou que o dia é muito importante para todos que fazem parte da escola. “O ambiente escolar está acolhedor, receptivo e aconchegante, pois enquanto educadores nos esforçamos para que nossos educandos saiam do seu lar e cheguem a escola, sua segunda casa, sua segunda família com gosto e satisfação”. A secretária de Educação Maria Lídia Funari, participou da festa de aniversário, e parabenizou a equipe e agradeceu a participação de todos. “O maior legado que podemos deixar à educação dos nossos filhos é prepara-los para os desafios do futuro e que, ensinando caminho carreto e mais adequado através da educação”. Ela também destacou o comprometimento do prefeito Amin Hannouche em organizar a estrutura da Escola para atender os alunos com mais conforto, através de pintura e outros ajustes.

70391180_2135262369912919_5588748579565993984_n.jpg

71151376_2135213239917832_5676270289252515840_n.jpg71056817_2135212936584529_4676369243812397056_n.jpg71037017_2135213729917783_311797411460677632_n.jpg70903081_2135213079917848_1386511397013159936_n.jpg70863455_2135213686584454_619774329252478976_n.jpg70797830_2135213856584437_7901881561325240320_n.jpg70632336_2135213359917820_5748901158345244672_n.jpg70614346_2135212926584530_5765580831342985216_n.jpg70596765_2135213406584482_7871239727037284352_n.jpg70449719_2135214109917745_5043471802387398656_n.jpg70447142_2135213276584495_8219031129101959168_n.jpg70388937_2135214253251064_7740746332683370496_n.jpg70364491_2135213906584432_1638651480804163584_n.jpg70303678_2135213369917819_5575226768387735552_n.jpg70274863_2135212969917859_1582560384739442688_n.jpg70263239_2135214083251081_8187539462520045568_n.jpg70255699_2135213913251098_4487234019561308160_n.jpg70167328_2135214163251073_3287747583337824256_n.jpg69981491_2135213759917780_4604307762829066240_n.jpg

Os animais existem em nosso universo jurídico desde 1934, quando Getúlio Vargas promulgou o Decreto Lei 24.645/34. Hoje uma farta legislação os protege a nível internacional, federal e municipal. O que falta é que essa legislação seja realmente cumprida, o que depende de cada um de nós. O seu silêncio é tudo que um criminoso precisa para continuar maltratando animais. Denuncie! Abandonar animais é crime federal (Lei 9.605/98). A principal lei que protege os animais é a Lei Federal 9.605/98, conhecida como Lei dos Crimes Ambientais: Art.32 – Praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos. A pena será de 3 meses a 1 ano de prisão e multa, aumentada de 1/6 a 1/3 se ocorrer a morte do animal. Declaração Universal dos Direitos dos Animais – Unesco 1978.

Algumas ações consideradas maus-tratos:

•Não dar água e comida diariamente;

•Manter preso em corrente;

•Manter em local sujo e pequeno demais para que o animal possa andar ou correr;

•Deixar sem ventilação ou luz solar e desprotegido do vento, sol e chuva;

•Negar assistência veterinária a animal doente ou ferido; •Obrigar a trabalho excessivo ou superior à sua força;

•Abandonar;

•Ferir;

•Envenenar;

•Utilizar para rinha, farra-do-boi, etc;

•Vivissecção;

•Caça;

•Tráfico de animais silvestres;

•Rodeios;

•Extermínio de raças e preconceitos contra animais (Pit Bulls);

•Comércio de peles.

Animal não é brinquedo. É um ser vivo digno de respeito e cuidado. O seu silêncio é tudo que um criminoso precisa para continuar maltratando animais. Denuncie! 3520-1000

cat-and-dog-775116_1920.jpg